REGRA DA ORDEM TERCEIRA SECULAR DE SÃO DOMINGOS (1964)

Transcrição feita a partir da publicação: «Regra da Ordem Terceira Secular de S. Domingos;  Curia Generalicia da Ordem dos Pregadores; Roma; Convento de Stª Sabina»

 

REGRA DA ORDEM TERCEIRA SECULAR DE SÃO DOMINGOS (1964)

Aos nossos amados filhos de Deus, irmãos e irmãs da Ordem Terceira Secular dos Frades Pregadores ou da Ordem da Penitência de São Domingos

NÓS

FR. ANICETO FERNANDEZ
PROFESSOR DE SAGRADA TEOLOGIA
E HUMILDE MESTRE GERAL E SERVO
DE TODA A ORDEM DOS FRADES PREGADORES

as nossas saudações e o Nosso desejo de progresso no espírito de N.P.S. Domingos

Anuindo aos votos das Comissões dos Capítulos Gerais de Caleruega (1958 nº254) e de Bolonha (1961, nº72), e dando execução à ordenação do de Tolosa (1962, nº230), apresentamo-vos paternalmente a nova Regra da Ordem Terceira da Penitência de S. Domingos, redigidas pela Comissão para o efeito especialmente por Nós delegada.
Na verdade, desejamos informar-vos a todos de que o texto do qual consta esta nova Regra, já antes (1961) aceite por notável maioria dos Promotores de diversas línguas e nações, tem também a aprovação do Capítulo Geral de Tolosa (1962,35) e que a presente Regra, munida da Nossa sanção com a do Nosso Conselho, foi aprovada pela Santa Sé, por três anos e à experiência, como consta do anexo documento.
É, pois, evidente que a Regra que vos entregamos, é a só e única que existe para toda a Nossa Ordem Terceira, e deve ser observada devota e fielmente. No entanto, como ordenou o Capítulo Geral de Bolonha (1961), «além da Regra publicada para toda a Ordem, cada Promotor Provincial, para a sua Província, ou vários Promotores Provinciais para as diversas nações da mesma língua, devem compor ao mesmo tempo uma espécie de Directório, mediante o qual se explique a própria Regra nas línguas vernáculas, e se acomode às várias exigências das pessoas e às normas peculiares dos lugares» (nº273).
Ninguém, porém, ignora que inspiradas principalmente pelo Concílio Ecuménico Vaticano II, se verificam na Igreja certas mudanças e inovações, que, indubitavelmente, também afectam, enquanto lhe cabe, a Nossa Ordem Terceira. Eis porque, comungando nos sentimentos da Igreja e adaptando-nos gradualmente às novas formas de vida, durante a trienal experiência da presente Regra, devemos, mediante um mútuo esforço, procurar conhecer se na definitiva redacção da Regra há coisas a mudar, a inovar ou a completar, e quais estas sejam.
Por meio, pois desta Nossa carta, e pela autoridade do Nosso cargo, aprovando a presente nova Regra da Ordem Terceira da Penitência de S. Domingos, autorizamos a sua publicação, e determinamos que por todos seja usada.

A quaisquer…
Em testemunho do que….

Roma, Convento de Sta Sabina, 30 de Maio do ano de Cristo de 1964.
Fr. ANICETO FERNANDEZ, O.P.
Mestre Geral Continuar a ler

Anúncios

Aquela Famosa Trombeta

Fr. Raul de Almeida Rolo O.P
«AQUELA FAMOSA TROMBETA»
Fr. Luís de Sousa
(Vida do Arcebispo, liv. IV, cap. 23)
Separata do Boletim Mensal da Sociedade de Língua Portuguesa
Lisboa
1964
Comp. e Imp.na Soc. Astória, Ldª
Regueirão dos Anjos, 68, Lisboa

.